domingo, 29 de abril de 2012

Sabiá Futebol Clube – Caxias (MA)

Postar hoje sobre a história de um dos clubes mais novos do nosso futebol, o Sabiá de Caxias...



"Sabiá Futebol Clube, fundado no dia 23 de Abril de 2007, fica na cidade de Caxias, no Estado do Maranhão. A equipe manda seus jogos no Estádio Duque de Caxias, com capacidade para 3.500 torcedores. Atualmente, o Tricolor dos Cocais disputa o Campeonato Maranhense da Série A, sob o comando do técnico Daniel Frasson (ex-jogador do Palmeiras, nos anos 90).
O clube surgiu a partir da ideia de um grupo de amigos desportistas de uma construtora chamada “Barros Construção Empreendimentos Ltda.”, que resolveram fundar um time de futebol de campo amador, e assim fundaram o “Sabiá FC”.
 A primeira competição disputada foi a “Copa Itapecuru”. Esta competição exigia critérios para a participação, sendo que o principal era que os times fossem filiados aos seus respectivos Departamentos. Amarrado pela burocracia de filiação e demora na legalização de times recém-criados, e com o início do Campeonato muito próximo, o Sabiá usou o nome de um clube já existente: Nacional – filiado ao Departamento de Futebol do Bairro Castelo Branco-Nova Caxias – que atendia aos critérios da competição e assim disputou seu primeiro campeonato.
 O primeiro título veio nesta mesma competição, onde o Sabiá – com o nome de Nacional – , foi Campeão invicto com uma convincente vitória sobre o time do Atlético, vencendo o jogo pelo placar de 3 x 2 em uma de suas grandes apresentações.
 No ano seguinte, veio à filiação ao Departamento de Futebol Matadouro Novo, já com seu nome original. A partir de então, consolidou-se o clube que logo em seguida filiou-se à Liga Caxiense de Futebol, dando-lhe direito a participar do mais importante campeonato local – o Campeonato Caxiense de Futebol."
(fonte: http://cacellain.com.br/blog/?p=26071)

sexta-feira, 27 de abril de 2012

NOTA

Leitores deste pequeno espaço sobre o futebol maranhense antigo, venho comunicar, primeiramente, o meu muito obrigado pelos 14 mil acessos em praticamente 2 meses de blog. Valeu mesmo!!! Também comunico que, por conta de um pequeno imprevisto com o meu acervo, vou ficar umas duas semanas sem publicar nada aqui no Blog. Espero a compreensão de todos. Um abraço a todos e bom fim de semana.

Sociedade Esportiva Tupan

A Sociedade Esportiva Tupan, hoje extinto, era um clube da cidade de São Luís. A sua sede ficava localizada na Rua dos Acapus, Quadra 82, no Renascença. Tricampeão maranhense quando da sua primeira formação (1932, 1935 e 1938), o chamado "Grêmio Indígena" foi extinto e voltou em seguida. O clube revelou jogadores que se destacaram no futebol nacional e internacional, pode citar-se como exemplo o goleiro Clemer e o atacante Oliveira, que disputou a Copa do Mundo de 1998 pela Bélgica.


domingo, 22 de abril de 2012

Pinheiro Atlético Clube

Hoje o Blog dedica um espaço para homenagear esse extinto clube que já participou de algmas edicções do Campeonato Maranhense, no início da década de 1990, o famoso PAC, o Pinheiro Atlético Clube. Eu, como pinheirense e admirador do esporte da baixada, deixo aqui o escudo do clube que, infelizmente, não cheguei a acompanhar (na época eu ainda era muito novo e não ia sozinho ao estádio). Para os mais antigos e saudosistas, que não lembra das defesas do Goleiro Sarárá, dos curzamentos do Lateral Barroso, do Estádio Municipal Costa Rodrigues lotado, epurrando o time gritando é o PAC!!!, é o PAC!!! em todos os jogos desse time que deixou saudades... O PAC mandava os seus jogos no Estádio Costa Rodrigues, com uma capacidade para 5.000 torcedores... Eu mesmo tinha um verdadeiro fascínio por esse estádio, pois foi o meu primeiro contato direto com um campo de futebol.

Em 1992 o PAC ficou na terceria colocação do Campeonato Maranhense à frente de grandes clubes, como Moto Club e BEC. O PAC só nao foi campeão por causa das armações da FMF, pois o clube tinha a vantagem e eles tiraram e fizeram com que todos os jogos fossem em São Luis. Eis os jogos da fase decisiva, em que "meteram a mão" no PAC e passaram todas as partidas para o Nhozinho Santos: 10 de Dezembro de 1992-MAC 0x0 PAC / 13 de Dezembro de 1992-Sampaio Corrêa 0x0 PAC. Abaixo deixo algums fotos do Estádio Municipal Costa Rodrigues, tiradas por mim mesmo em 2007, quando fui passar férias por lá...






Fotos raras do Sampaio Corrêa

Deixo aqui dois registros raríssimos do Sampaio Corrêa Futebol Clube. Um deles é no já extindo campo do Luso, que ficava ali na Rua do Passeio, entre o SENAC e o Hospital Português... Aliás, foi o segundo campo de futebol existente em São Luis. O segundo é a formação do Tricolor no campo do Santa Isabel. Não sei precisar a data, mas pelo aspecto da foto, é um registro muito antigo, talvez da década de 1930....

 Sampaio Corrêa no Campo da Rua do Passeio

No Santa Isabel

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Moto Club de Rondônia

Mais uma curiosidade: além do registro do Moto Club de Cedral, no interior do Estado, há o Moto Club da cidade de Porto Velho, Rondônia.

Escudo do Moto Clube (RO)

Escudo antigo do Moto Clube (RO)

Moto Esporte Clube, mais conhecido como Timão, teve seu auge no futebol rondoniense durante a era amadora, anterior a 1991, quando conquistou o campeonato estadual em 10 oportunidades. Criado para disputar um torneio de futebol em homenagem ao aniversário do deputado federal Aluízio Ferreira, em 1952, uma competição entre funcionários da administração do então Território Federal, o Moto Clube era constituído àquela altura apenas por motoristas, mecânicos e auxiliares da Garagem do Território, sob comando do mecânico Eduardo Lima e Silva, o "seu Dudu", técnico da seleção do Guaporé que disputava o Campeonato Brasileiro de Seleções e do atleta Pirralho. O que era o "time da Garagem", logo o Moto entrou na disputa do campeonato da FDG - Federação de Desportos do Guaporé, e em 1954 foi campeão pela primeira vez. O principal rival do Moto Clube é o Ferroviário, clube com o qual disputou grandes jogos na época do amadorismo que ficaram na história e inclusive foi matéria do programa "Esporte Espetacular" da Rede Globo. Os clubes se desencontraram ainda no inicio do profissionalismo quando o Ferroviário decidiu por não disputar mais o campeonato. Pouco depois o proprio Moto Clube acabou abandonando o Campeonato, voltando com regularidade no ano de 2009, tendo criando pequena rivalidade com o Gênus, um dos poucos clubes de Porto Velho ainda disputando o torneio. O Moto Clube foi o 1º clube da Amazônia Ocidental a jogar no Maracanã, a partida foi disputada em 21 de agosto de 1969 conta a Seleção da Petrobras, na preliminar de Brasil x Colômbia, o Timão foi convidado pela antiga CBD - Confederação Brasileira de Desportos, hoje CBF - Confederação Brasileira de Futebol e o resultado foi um empate em 3 a 3. Os gols do Moto Clube foram de Manoel, Bacu e Walter Santos.

  Moto 6x2 Caoalense, pelo Campeonato Rondoniense

  Moto 6x2 Caoalense, pelo Campeonato Rondoniense

Moto Club (RO)



 Hino do Moto Club Rondoniense

Sampaio Corrêa do Rio de Janeiro

Outro grande achado bem curioso: fora do Maranhão há um Sampaio Corrêa, mas não a nossa Bolívia Querida. No Rio de Janeiro existe o Sampaio Corrêa Futebol e Esporte, o popular "Galinho da Serra", uma espécie de ave primitiva da Região dos Lagos, e foi fundado no dia 20 de fevereiro de 2006. As cores do Sampaio Corrêa são o azul, branco e o amarelo.

 Escudo do Sampaio Corrêa do Rio de Janeiro


O clube-empresa da cidade de Saquarema, Região dos Lagos, estreou no profissionalismo da Terceira Divisão de Profissionais carioca em 2006. Ficou em primeiro lugar em sua chave ao fim da primeira fase do campeonato, à frente do também classificado Rio Bonito Atlético Clube e dos eliminados Bela Vista Futebol Clube e Faissal Futebol Clube. Chegando à segunda fase, eliminou em jogos de ida e volta o Juventus Futebol Clube. Na terceira fase, bateu o Cardoso Moreira Futebol Clube na primeira partida por 3 a 1 e empatou sem abertura de contagem na segunda, mas por ter escalado um jogador em condição irregular, foi eliminado da competição, ficando em sexto na classificação geral.

Em 2009, disputa a Terceira Divisão do Rio de Janeiro na categoria de Juniores e Profissional com grande êxito. Na primeira fase se classifica em segundo lugar, atrás somente do Rio das Ostras Futebol Clube e à frente do outro classificado na chave, Paraíba do Sul Futebol Clube, e dos eliminados Três Rios Futebol Clube e Real Esporte Clube. Na segunda fase termina como o primeiro colocado, à frente do outro classificado Paraíba do Sul Futebol Clube, e dos eliminados Independente Esportes Clube Macaé e Serrano Foot Ball Club. Na terceira fase se classifica em segundo, atrás somente do Rio das Ostras Futebol Clube. Leme Futebol Clube Zona Sul e União Central Futebol Clube são eliminados. Nas semi-finais bate o Clube Atlético Castelo Branco, vencendo-o por 3 a 0 na partida de ida e perdendo fora por 2 a 1, chegando à final, sendo promovido, e pondo o adversário para disputar a terceira vaga. Finalmente na final vence o Fênix 2005 Futebol Clube fora de casa por 3 a 1 e por 3 a 0 em casa, coroando a sua grande campanha em 2009 com a conquista da Série C do Rio de Janeiro.

Há dois anos o clube luta para subir à Primeira Divisão do Campeonato Carioca. Esse ano o clube está brigando diretamente pro uma das vagas ao acesso....

 Formação do Sampaio Corrêa do Rio de Janeiro

Sampaio Correa 4x0 Bonsucesso - Carioca Série B

Maranhão Atlético Clube de Santos (SP)

Mias um belo achado... Maranhão Atlético Clube (MAC) é o nome que os vimarenses, pessoas nascidas em Guimarães (MA) residentes na Baixada Santista, em São Paulo, escolheram para disputar as partidas e campeonatos naquela região, congregando vimarenses e outros maranhenses que trabalham e residem em São Paulo. O time amador foi fundado em 1º de janeiro de 2005, sendo integrado por Adermyson, Stelmo, Anderson, Batista, Luís Carlos e Francisco de Assis Cardoso, dentre outros.

O time do Maranhão incluindo vimarenses na baixada santista

Atletas e torcedores do MAC, na Baixada Santista, destacando-se os vimarenses Stelmo, Anderson, Marliane (Cuité), Batista, Luís Carlos (filhos de Anelito) Delcy, Iracy (M. Gregória), Adermyson (Bujão) e Francisco de Assis Cardoso (Zé Pretinho).

Maranhão Atlético Clube de Catanduva-SP

Já havia postado aqui uma foto de 1948 do Moto Club da cidade de Cedral, na época influenciado pelas grandes conquistas do rubro-negro da Fabril, sobretudo o inédito Hepentacampeonato maranhense até então. Agora posto mais uma curiosidade: o Maranhão Atlético Clube de... Catanduva, interior de São Paulo. Isso mesmo, São Paulo. O time do Maranhão Atlético Clube que era uma equipe amadora formada por jogadores que moravam nas proximidades da Rua Maranhão após o Hospital Padre Albino. Estão na foto de pé e da esquerda para a direita: Mixo, Alcyr Azzoni, Bongiovanni, Basílio, José Perez Perez e Daniel. Agachados: Samuel, Milton Figueiredo, Meloso e os irmãos Décinha e Gulica.

Torcida Organizada Partido do Bode

Fundada no início de 1945, a Torcida Organizda PARTIDO DO BODE é tida como a mais antiga manifestação de torcida organizada no futebol maranhense. Fundado com a finalidade principal de ajudar de várias formas a agremiação atleticana, o grupo era composto por Carlos Dias (Napá), José Oliveira (Fogoió), Heitor Guterres (Vitrola), Jaime Paiva (Boquinha), Frazão (Barrigudo), Habibe, Zé Antena. Desses, apenas Fogoió está vivo e reside em Bacabal, interior do Maranhão. Agora, em Abril de 2012, por intermédio de Gustavo Tanus, neto do fundador Napá, o Partido renasceu com a missão de resgatar no torcedor o sentimento de amor pelas cores do Macão e a volta da torcida aos estádios. Gustavo Tanus é um dos mais apaixonados e militantes torcedores do Maranhão Atlético Clube. Apesar de não ter conhecido o seu avô, falecido na década de 1960, Gustavo resolveu homenagear aquele que em vida dedicou boa parte do seu tempo e energia em prol do Demolidor de Cartazes. Oriundo de uma família legitimamente maqueana (o seu tio, França Dias, foi um dos Presidentes do Maranhão na década de 1990), Gustavo agora revitaliza aquele que é considerado o primeiro grupo de apoio a um clube do futebol maranhense, o Partido do Bode.


Aos interessados em conhecer e participar da torcida, deixo o site do Partido do Bode:


Mano Borges

O Blog abre um espaço aqui para falar um pouco sobre um dos meus artistas favoritos aqui em São Luis: Mano Borges. Mano, um apaixonado por MPB, além de cantor, é um execelente compositor... Foi descoberto durante o projeto Viva, do Governador Luiz Rocha, organizado pela Secretaria de Esportes e Lazer, na época sob o comando do Secretário Eleotério Nan Souza. O projeto Viva ainda descobriu alguns grandes talentos da música maranhense, como César Nascimento e Fauzi Beydoun (Tribo de Jah), dentre outros. Entre 1988 e 1990 residiu em Porto Alegre, onde participou de vários eventos. Retornou ao Maranhão e em 1991 lançou o LP "Mano Borges". No ano seguinte lançou o LP "Du CA..." e em 1983 passou a integrar o grupo Asa do Maranhão, apresentado-se com diversos artistas, entre eles, Marina Lima, Sivuca e Beto Guedes. Tem alguns discos gravados, como "Elefantes Azuis", de 1994, o elogiadíssimo "Lera", de 1999 (e um dos meus preferidos), e "Passagem Franca para Caro Custou", de 2002, o seu primeiro por uma gravadora, e o seu último, "Ao vivo no Teatro Arthur Azevedo", de 2007. Vale ressaltar que o CD "Passagem Franca pra Caro Custou" foi produzido por Mazzola e lançado pelo selo MZA Music em parceria com a gravadora Abril Music. No CD, além de regravar "Medo de avião" (Gilberto Gil e Belchior), contou com as participações de Zeca Baleiro na faixa "Os nós" e de Renata Holly na música "Bangladesh". Boliviano assumido, Mano presenteou os torcedores tricolores com a regravação do hino do Sampaio Corrêa, todo repaginado e com um som mais moderno. Abaixo, o vídeo com a versão do Mano para o hino do grande Agostinho Reis, autor da letra do hino da Bolívia Querida...

Hino do Sampaio Corrâ na versão do cantor Mano Borges

Em 2012, atendendo a um pedido dos fãs e de alguns torcedores bolivianos, o cantor prontamente subiu ao palco de um dos seus shows com a camisa da campanha "NORDESTINO DE CORAÇÃO TORCE PELO TIME DA SUA REGIÃO", presenteando a todos com a versão em marchinha de carnaval do hino do Sampaio Corrêa... valeu, Mano!!!

Mano Borges cantando o hino do Sampaio Corrêa em show (Fevereiro de 2012)

 Mano Borges com a camisa da campanha

  Mano Borges com a camisa da campanha

Meu CD autografado... Fã é fã, né? rsrs
Minha coleção de CD's do Mano Borge

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Mascote, do Sampaio Corrêa, o recordista de gols do futebol brasileiro

Mascote foi, sem dúvida alguma, um dos melhores atacantes que o futebol maranhense já possuiu. Fazia gosto vê-lo em campo dando fintas espetaculares e conquistando tentos que empolgavam a torcida. O atacante, quando pisava no gramado, era uma ameaça constante para qualquer goleiro. Seus tiros encontravam sempre o endereço certo. Isso foi o suficiente para que seu nome corresse de boca em boca e ele se tornasse ídolo da torcida sampaína. Durval Broxado, o popular Mascote, nasceu em São Luis no dia 18 de Dezembro de 1910, numa vivenda à Rua do Outeiro, número 700, alugada pelo casal Manoel de Souza Broxado e Rita Souza Broxado. Mascote, como todos os demais craques da bola, aprendeu a jogar nas peladas na rua do Outeiro e no Caminho da Boiada. Ele era fanático por uma bola de meia e pelos “divididos”. Até 1931, quando já era jogador do Sampaio e havia ficado noivo, Mascote ainda gostava das chamadas peladas. Em frente à sua casa, se divertia com os garotos da redondeza. Ele jogava sozinho contra 5, 6 ou 7 garotos, chegando mesmo a ser censurado pela sua esposa. Quem descobriu em Mascote qualidades técnicas foi o preparador Vandemar Almeida, vizinho da família broxado. Da janela de sua residência, quase todas as tardes, ele via os garotos jogando com a bola de meia. Mascote, Elvite, Tancredo, Vavá, Badico e muitos outros elementos formavam essas peladas. Após o encerramento dos trabalhos na Fábrica Santa Isabel, onde era operário da Fabril, Mascote rumava para o campo do América, para ver o Sampaio se exercitar. E aproveitando-se da oportunidade, Valdemar resolveu lançá-lo na equipe sampaína. Mascote então foi colocado na meia esquerda do quadro suplente que era o Atenas. Não teve calção. Entretanto, arregaçou as calças até a altura do joelho e treinou. Mascote jogou maravilhosamente, conquistando três gols, sendo o último de cabeça, deixando Valdemar atônito. Mascote tinha apenas 17 anos. Mascote foi bicampeão invicto pelo Sampaio Corrêa (1933/34) e novamente campeão invicto em 1940, feito esse repetido em 1942. O craque abandonou o futebol definitivamente em 1946. Mascote é o recordista, no Brasil, do maior número de gols em uma só partida: no jogo Sampaio Corrêa 20x0 Santos Dumont, dia 20 de Setembro de 1934 pelo Campeonato Maranhense daquele ano, o jogador fez 13 gols. Maascote foi o artilheiro da competição, com 26 gols, e a competição contava, além do Sampaio Corrêa, com as equipes do Santos Dumont (equipe da base aérea do Tirirical e extinto após a impiedos goleada sofrida contra a Bolívia Querida), o Tupan (vice-campeão daquele ano), o Maranhão Atlético Clube, o América (extinto), Recife (extinto), Sírio Brasileiro (extinto) e o Itararé (extinto). (Texto extraído do jornal O Esporte, de 1948, e adaptado com mais informações de outras fontes)

 Jogador Mascote no Sampaio Corrêa em 1940. Em pé: Beneditinho, Leocádio, Ferreira, Brandão, Manoel Cotia e Mascote. Agachados: Clarindo, Diquinho, João Cinco, Caranguejo, Tarrindo, Maçariquinho e Domingão

Jogador Mascote no Sampaio Corrêa em 1945. Em pé: Tarrindo, João Cinc, Cacaraí, Maçariquinho, Aldo, Domingão e Crepe Sola. Agachados: Maçaricão (técnico), Fatiguezinho, Amorim, Mascote, Manoel Cotia e Ferreira

 Recordista...

Mascote vestindo a camisa do Sampaio Corrêa

Sampaio Corrêa 2x0 Maranhão Atlético Clube - Campeonato Brasileiro 1971

Registros da primeira partida de ambas as equipes no Campeonato Brasileiro de 1971, primeira edição do campeonato e o primeiro jogo de clubes maranhenses nessa competição. O jogo, realizado no dia 29 de Agosto, foi disputado no Estádio Nhozinho Santos.





  Sampaio Corrêa 2x0 MAC, no Nhozinho Santos

  Sampaio Corrêa 2x0 MAC, no Nhozinho Santos

  Sampaio Corrêa 2x0 MAC, no Nhozinho Santos

 Sampaio Corrêa 2x0 MAC, no Nhozinho Santos

Sampaio Corrêa que estreou no Brasileiro de 1971, contra o MAC

CAMPANHA DO SAMPAIO CORRÊA NO SEU PRIMEIRO CAMPEONATO BRASILEIRO, EM 1971
29/08/1971-Maranhão Atlético Clube 0x2 Sampaio Corrêa
05/09/1971-Sampaio Corrêa 2x1 Ríver (PI)
08/09/1971-Flamengo (PI) 1x0 Sampaio Corrêa
19/09/1971-Guarany de Sobral (CE) 3x2 Sampaio Corrêa
26/09/1971-Sampaio Corrêa 5x0 Maranhão Atlético Clube
06/09/1971-Sampaio Corrêa 1x0 Guarany de Sobral (CE)
10/09/1971-Ríver (PI) 2x3 Sampaio Corrêa
17/09/1971-Sampaio Corrêa 1x1 Flamengo (PI)


FICHA - MARANHÃO ATLÉTICO CLUBE 0x2 SAMPAIO CORRÊA
Local:
Estádio Nhozinho Santos
Gols: Roberto e Vamberto
Maranhão Atlético Clube: Brito, Baezinho, Luís Carlos, Sansão e Elias; Almir e Lucas; Eusébio, Riba, Hamilton e Dario. Técnico: Vilanova
Sampaio Corrêa: Paulo Figueiredo, Célio Rodrigues, Neguinho, Aluísio e Heraldo Gonçalves; Gojoba e Roberto; Prado, Zé Carlos, Vamberto e Pelezinho. Técnico: Álvaro Barbosa

Sampaio Corrêa 3x3 Clube do Remo (PA) - Amistoso em 1948 no Santa Isabel

Registro raro do jogo amistoso entre Sampaio Corrêa x Clube do Remo, realizado no dia 07 de Outubro de 1948 no Estádio Santa Isabel.





FICHA - SAMPAIO CORRÊA 3x3 CLUBE DO REMO (PA)
Local:
Estádio Santa Izabel
Gols: Sancho, Mosquitoe Silvio (Sampaio Corrêa) e Itaguary, Quiba e Geovani (Remo)
Sampaio Corrêa: Derval; Filho da Índia e Serejo; Reginaldo, Capucão e Decadela; Mosquito, Geovani, Mozart, Henrique Santos e Sancho.
Clube do Remo (PA): Veliz; Izan e Expedito; Modesto, Jambo e Pelado; Marido, Quiba, Itaguary, Gejú e Jaime.

Complexo Esportivo do Castelão

Hoje vou escrever um breve relato sobre esse belo complexo esportivo localizado no Outeiro da Cruz e que comporta duas grandes praças esportivas: o Estádio Governador João Castelo (Castelão) e o Ginásio Georgeana Pfluger (Castelinho). A empresa "Serviços de Engenharia Emílio Baumgart Ltda" elaborou a maquete do completo, cujas obras foram realizadas pela CGP (Construções Gerais e Planejamento). Em Julho de 1981 foi inaurado o Ginásio Castelinho, a pista de atletismo e a piscina olímpica, dando início, assim aos JUB's (Jogos Universitários Brasileiros. Em Setembro de 1980 iniciaram-se as sobras para a construção do Estádio Castelão. O gramado ficou a cargo do Engenheiro João Alberto e o estádio foi inaugurado no dia 5 de Maio de 1982, quando o Brasil venceu a Seleção de Portugal por 3x1, jogo assistido por 80 mil pessoas. Abaixo, deixo algumas fotos da época da construção do Estádio e do Ginásio. As fotos mais recentes foram tiradas por mim (Hugo) e pelo meu amigo Guilherme Monteiro, quando fomos comprar ingressos para o jogo do Maranhão Basquete. Aproveitamos para conhecer as obras no Castelão e tirar algumas fotos do Complexo Esportivo, como o Ginásio e o Kartódromo.

 Maquete do Castelão (a empresa "Serviços de Engenharia Emílio Baumgart Ltda" elaborou a maquete do complexo)


Castelão no dia da inauguração

Terreno que existia antes do início das obras do Castelão

Obras do Castelão

 Construção do Castelinho

  Construção do Castelinho