sábado, 28 de dezembro de 2013

Página no Facebook do Livro do Maranhão Atlético Clube

A quem interessar, pode curtir a página do livro "Salve, Salve, meu Bode Gregório: a História do Maranhão Atlético Clube", com lançamento para o segundo semestre de 2014. Na página, brevemente você concorrerá a sorteios de brindes e terá informações sobre o livro para todo maqueano de coração



Curta:


____________________________

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Férias do Blog

Como de costume, no final do mês de Novembro o Blog "Futebol Maranhense Antigo" entra de férias. De antemão, gostaria de agradecer aos mais de 234 mil acessos aqui no Blog, às quase 500 curtidas na página do Blog no Facebook (Clique aqui para ver) e os mais de 869 mil acessos no Canal do YouTube (Clique aqui para ver). Agradeço também a todos aqueles que prestigiaram um projeto meu para este ano, que foi o Podcast "Memórias do Futebol Maranhense" (Clique aqui para ouvir todas as entrevistas), resgatando em áudio um pouco da história e passagens dos nosso grandes craques. Em 2013, em virtude de nenhum lançamento em livro, pude me dedicar um pouco mais a este pequeno site e dar-lhe mais corpo, com posts em textos, áudios e vídeos. Porém, em 2014, com a vontade de Deus e de algumas pessoas que me incentivam, colocarei de pé três livros: o primeiro é o "Salve, Salve, meu Bode Gregório: a História do Maranhão Atlético Clube", publicação que comecei em Outubro de 2012 e que hoje entro na fase final de pesquisa. O seu lançamento ocorrerá no segundo semestre. Também em vias de pesquisa, para o próximo ano lanço, se tudo transcorrer dentro do previsto, o "Almanaque do Futebol Maranhense", em duas edições: "Clubes da Capital" e "Clubes do Interior", falando de grandes e importantes clubes que fizeram/fazem parte do nosso futebol, como o Graça Aranha, Expressinho, Ícaro, Ferroviário, Vitória do Mar, Pinheiro (PAC), Imperatriz, Bacabal, Coroatá, Viana, dentre outros. O Blog volta à ativa em Janeiro, com muitas novidades e sempre resgatando a memória do futebol maranhense.


Vera Cruz Futebol Clube em 1940

Deixo aqui um registro raro do Vera Cruz Futebol Clube, extinta equipe do futebol profissional de São Luis. O Vera Cruz disputou o Campeonato Maranhense da Primeira Divisão em apenas duas oportunidades, 1940 e 1941, e em ambas encerrou a sua participação em 7º lugar. Na foto, temos a equipe perfilada no Estádio Santa Izabel.


Maranhão 1x0 Itabaiana/SE - Campeonato Nacional 1979

Relato, extraído do Jornal O Estado do Maranhão, sobre a vitória do Maranhão Atlético Clube sobre a Associação Olímpica Itabaiana, de Sergipe, pelo Campeonato Nacional de 1979. Na época, o MAC, atual Campeão Maranhense, configurou em uma chave com as equipes do Uberlândia (MG), Sampaio Corrêa e Moto Club, Central e Náutico (PE), Uberaba (MG), River, Tiradentes e Piauí (PI). 


O Maranhão Atlético Clube recuperou os pontos perdidos no Rio de Janeiro, derrotando o Itabaiana por 1 a 0 na tarde/noite de ontem no Estádio Nhozinho Santos, conseguindo uma vitória muito importante na sua luta pela classificação.

O time atleticano não se apresentou bem no primeiro tempo, face o nervosismo que tomou de conta dos seus jogadores e ainda pelo fato de Juarez (o seu principal jogador) ter levado uma forte pancada na cabeça logo no começo da partida, sendo forçado a sair várias vezes para ser atendido pelo médico Ezon Ferraz, o que prejudicou sua atuação. O time do Itabaiana no primeiro tempo, com o problema de Juarez, colocou também dois ou três jogadores em cima de Osni para evitar as penetrações do veloz ponteiro maqueano. Na etapa final, o Macão voltou com Carlinho em lugar de Juarez, que teve que ir para o hospital, e imprimiu maior ritmo ao seu atacante, obrigando o Itabaiana a recuperar para se defender em seu próprio campo. Com a subida de produção do campeão maranhense, apenas Alcino continuou lento demais, o que determinou a sua substituição aos 15 minutos, entrando em seu lugar o goiano Tica.

O Bodão teve muitas oportunidades antes de chegar à marcação do seu gol, mas a afobação dos seus atacantes não deixou que as jogadas fossem concluídas com perfeição. O gol atleticano foi marcado aos 19 minutos, através do centroavante Tica, depois de uma cobrança de escanteio feita por Antônio Carlos, com participação ainda de Osni. Como já era de se esperar, com a desvantagem no marcador, o time do Itabaiana abandonou o sistema defensivo e partiu para o ataque, mas os zagueiros atleticanos mais uma vez conseguiram abafar a reação adversária, com outra boa atuação de todo o sistema defensivo. O Maranhão ainda foi quem teve outra grande oportunidade para ampliar o escore, na marca de 35 minutos, com Carlinhos, sozinho, cara a cara com o goleiro Marcelo, chutando por cima do travessão, quando a torcida já levantava para comemorar o gol, que acabou não acontecendo.

 Depois do jogo, oração para agradecer pela vitória

 Naldo, do MAC, entre dois adversários

 Tica, autor do gol maqueano

AUDIO - MARANHÃO 1X0 ITABAIANA


 FICHA DO JOGO

Maranhão 1x0 Itabaiana (SE)
Data:
15 de Novembro de 1979
Local: Estádio Nhozinho Santos
Juiz: Jair Pereira Guimarães (PB)
Gols: Tica aos 16 minutos do segundo tempo
Público: 12.594 pagantes
Renda: Cr$ 505.090,00
Maranhão: Marcelino, Mendes, Tataco, Jorge Santos e Antonio Carlos; Emerson, Juarez (Carlinhos) e Naldo; Osni, Alcino (Tica) e Dejaro. Técnico: Aníbal Saraiva
Itabaiana (SE): Marcelo, Silvio, Airton, Ademir e Valdir; Gustinho, Nilson (Geraldo) e Milson; Ricardo (Dequinha), Damião e Eduardo. Técnico: Juan Celi

Nabor e Ananias - Torneio Maranhão/Piauí 1964

Registro da dupla Nabor e Ananias, com a camisa do Moto Club de São Luis, em jogo pelo extinto Torneio Maranhão/Piauí, em 1964. O velho Nabor foi craque do Papão. Revelado pelo rubro-negro, despontou muito rápido para o estrelato e logo passou por um período no Flamengo (RJ). Atuou ainda pela Seleção Maranhense. Já o craque Ananias, maranhense de Timon, atuou pelo Botafogo de Teresina, campeão piauiense em 1944. Jogou por diversos clubes, como Sampaio Corrêa, Tupan, Santa Isabel e Seleção Maranhense. Ainda teve passagens pelo Ceará, Usina (CE), Auto Esporte (PI), Flamengo (PI), Galícia (BA), Fluminense de Feira e Sport Recife, chegando à Seleção Pernambucana. O craque chegou a treinar no Flamengo do Rio, onde não ficou por conta da sua contratação pelo clube pernambucano, voltando imediatamente a Recife. Hoje, empresta o seu nome ao Estádio Ananias Silva, cujo nome fantasia chama-se Fecurão e construído junto ao Prefeito Mauro Fecury.


PÔSTER - Coroatá Futebol Clube - Vice-Campeão Maranhense 1995


Moto Club 3x4 Maranhão - Amistoso 1971

Matéria do Jornal O Imparcial, 1971, sobre o jogo amistoso entre motenses e maqueanos, realizado no dia 02 de Setembro:

O Moto completou anteontem seis jogos sem vencer o Maranhão, sendo três empates (2x2 na Copa Cidade de São Luis, 1x0 no Campeonato acional e 4x3 anteontem). Sofreu o rubro-negro o gol do triunfo atleticano quando faltavam dois minutos para se escoar o tempo regulamentar, através do centroavante Senêga, que estreou com o pé direito pelo Bode Gregório em nossa capital. Cimas com dois gols e Batistinha marcaram para o Papão, cabendo a Riba, com dois, Senêga e Croinha, de pênalti, os gols dos maqueanos. No flagrante, cena de um tento anotado por Riba, com Assis saltando, mas não conseguindo evitar a queda da sua cidadela. Partirá o rubro-negro agora contra o amistoso diante do Ferroviário na terça-feira, seguindo no dia imediato para Goiânia, onde participará do Torneio Integração. Terá que levar alguns reservas emprestados, pois possui apenas onze jogadores em condições pois os suplentes não substituem bem os titulares

 Lance do gol maqueano

Maranhão que venceu o Moto

FICHA DO JOGOMoto Club 3x4 Maranhão
Data:
02 de Setembro de 1971
Local: Estádio Nhozinho Santos
Juiz: Francisco Sousa
Bandeirinhas: José Salgado e Nacor Arouche
Gols: Sima aos 9, Riba aos 12 e 20, Sima aos 24, Croinha aos 37 e Batistinha aos 43 minutos do primeiro tempo; Riba aos 36 minutos do segundo tempo
Renda: Cr$ 4.563,00
Moto Club: Assis; Ribeiro, Zezinho, Dodó (Osvaldo) e Romildo; Faísca Valdemir (Toca); Ivanildo, Marcos, Sima e Batistinha. Técnico: Antônio Pereira
Maranhão: Brito (Sousa); Baezinho, Lucas, Jacinto e Elias; Almir (Guri) e Iomar; Croinha, Sanega, Riba e Dario. Técnico: Vilanova


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Sorteio de dois exemplares do livro "Memória Rubro-Negra: de Moto Club a Eterno Papão do Norte"

PROMOÇÃO DE 2 LIVROS 'MEMÓRIA RUBRO-NEGRA, DE MOTO CLUB A ETERNO PAPÃO DO NORTE', DO ESCRITOR HUGO SARAIVA !!!

Para participar, você precisa: 
 
1 - CURTIR a página da KitandaSL:

 
2 - CURTIR esta imagem promocional.

A KitandaSL.com em parceria com escritor Hugo Saraiva vai sortear 2 livros "Memória Rubro-Negra: de Moto Club a Eterno Papão do Norte"

Os vencedores serão conhecidos na página da KitandaSL, no sábado (30/11/13), às 20h.

PARTICIPE!!!

 


PAPEL DE PAREDE - IAPE Futebol Clube

Clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha a opção: "Salvar Destino Como"


PAPEL DE PAREDE - São José de Ribamar Esporte Clube

Clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha a opção: "Salvar Destino Como"


Carlos Mendes e Nestor Campos, ícones do Maranhão Atlético Clube

Texto do Jornalista Oliveira Ramos, publicado em 24 de Setembro de 2011

 Carlos Mendes

Nestor

O autor deste texto, todos sabem, é torcedor do Maranhão Atlético Clube. E, hoje, dia especial para o Quadricolor, deixamos de lado outros eventos e dedicamos o espaço disponível na página para render homenagem ao “Bode Gregório” e a duas figuras exponenciais que, literalmente, dedicaram suas vidas ao clube.Uma dessas figuras, há alguns anos não está mais entre nós. E, quando isso acontece, costumamos dizer que está no andar de cima, sentado à direita do Pai celestial. Rogamos para que seja verdade. Falamos de Nestor Campos. A outra figura, para nossa alegria, ainda nos dá o prazer da existência material. Falamos de Carlos Augusto Fonseca Mendes. Para os amigos mais chegados, “Carrinho”, e para outros que fizeram ou fazem parte da diretoria atleticana, o “Papa”. Os dois, Nestor e Carrinho, têm não apenas uma elogiável história gravada na vida do Demolidor de Cartazes. Eles são capítulos da história atleticana, pois, ali, dedicaram horas, dias, anos das suas vidas.

Pelo que nos contam, Nestor Campos “fazia tudo” no MAC e pelo MAC. Morador antigo da Rua do Ribeirão, misturava por amor ao clube, as atribuições de diretor com serviçal. Fazia e mandava fazer equipagens. Mandava lavar e até lavava – quando se fazia necessário – equipagens que garantissem ao “Bode” uma excelente apresentação em campo. Isso é “abnegação”. Algo muito diferente dos “abnegados” de hoje. Nestor Campos, como se tudo o que fazia não fosse suficiente, de livre e espontânea vontade abrigava em sua casa alguns jogadores provenientes do interior do Estado. Foi assim com Dario, com Soeiro, e com muitos outros. Isso, não tem valor material que pague. Certamente, por conta disso, Nestor está sentado do lado direito do Pai. Carlos Mendes não é um “faz tudo”. Mas quase tudo passa pelas suas mãos e quase nada é feito sem a sua participação. O Maranhão Atlético Clube é a segunda família do “Papa”. No Parque Valério Monteiro tem sua vida, seu trabalho, seu suor e muito da sua dignidade. Homem de passagem marcante nas hostes atleticanas, Carrinho foi o “principal jogador” do time na conquista do campeonato de 1993, literalmente, entrando em campo algumas vezes na decisão diante do Imperatriz, no Castelão. Jogou contratando o técnico Dultra dos Santos, antes do Sampaio Corrêa, para comandar o time nas partidas decisivas, e ainda jogou, saindo do banco de reservas em várias oportunidades para não deixar o grupo jogado às moscas. Até nas cobranças de escanteio em favor do MAC, lá estava o “Papa”. 1993 foi o início do único tricampeonato do Quadricolor.

Carlos Mendes foi peça importante na contratação de Luciano Sabino, técnico bicampeão em 1994, ao lado de Lúcio Surubim, e de outros nomes importantes da conquista. França Dias era o presidente na conquista do tricampeonato, em 1995, mas Carlos Augusto Fonseca Mendes também teve grande importância. 

Hoje, 24 de setembro, o Maranhão Atlético Clube comemora 79 anos de existência, glórias, conquistas e representatividade do futebol maranhense. No ano passado, este mesmo autor rendeu homenagem à família Dias, na pessoa de Napá, quando o clube comemorou 78 anos.

No próximo ano – com a vontade de Deus estaremos aqui – pretendemos render homenagem a Raymundo Silva e a Olímpio Sousa Guimarães, dois dos mais fortes pilares da edificação do Demolidor de Cartazes. Finalmente, não podemos deixar fora deste texto, o diretor João Vicente, que exerce influência e desempenha importante trabalho no Maranhão Atlético Clube; nem a “Torcedora Símbolo” do Quadricolor, Dona Sebastiana.


 Nestor comemorando o título do MAC em 1979

 Carlos Mendes e Fontenelle no CT do MAC

Carlos Mendes, dirigentes e torcedores no Parque Valério Monteiro

O Maranhão Atlético Clube é um clube de futebol fundado em 1932 e tornou-se um dos clubes mais tradicionais do estado homônimo. A sua sede social chama-se Parque Valério Monteiro e fica localizada na Avenida 7 s/n no bairro da Cohaserma. O clube possui 14 títulos do campeonato maranhense de futebol profissional.

O primeiro campeonato conquistado pelo Maranhão foi cinco anos após sua criação. Em 1937, o MAC faturou o torneio, algo que sucedeu-se em 1939, 1941 e 1943, começando a chamar a atenção no cenário futebolístico no estado. Nos anos 50, o Bode Gregório ganhou apenas um título estadual, fazendo com que sua reputação caísse. Uma nova campanha vitoriosa só aconteceu em 1963, doze anos depois da última conquista, que foi em 1951. Porém, o grande apogeu do time maranhense foi em 1979, quando participou do Campeonato Brasileiro. Com oito vitórias, três empates e cinco derrotas, o MAC terminou no 26º lugar, uma posição digna para um clube recém-promovido. O Maranhão ficou à frente de clubes grandes, como Fluminense, Bahia e Botafogo.

A década de 80 para o MAC foi muito ruim. Além de ser rebaixado no Campeonato Brasileiro, o Bode Gregório não conquistou nenhum título estadual. Porém nos anos 90 o Maranhão foi superior aos demais concorrentes, principalmente Sampaio Corrêa e Moto Club. Pela primeira vez o clube ganhou um tricampeonato, 1993, 1994 e 1995, além do torneio de 1999. Em 2000, o Maranhão voltou a figurar com destaque no cenário nacional. Naquele ano houve a Copa Norte, torneio que dava direito a disputar a Copa dos Campeões. Esta competição, por sua vez, garantia ao vencedor um lugar na Copa Libertadores. Após bela campanha, o MAC chegou à final para enfrentar o São Raimundo. No primeiro jogo, o Bode Gregório derrotou o rival de Amazonas por 3 a 2. Mas, no jogo de volta, em Manaus, o Maranhão perdeu por 2 a 0 e ficou com o vice-campeonato. Mesmo sem títulos durante oito anos, o Maranhão, que ganhou o Campeonato Maranhense de 2007, continua sendo um dos times mais populares do estado e goza de grande prestígio e torcida.

PAPEL DE PAREDE - Maranhão Atlético Clube

Clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha a opção: "Salvar Destino Como"
 

PAPEL DE PAREDE - Graça Aranha Esporte Clube

Clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha a opção: "Salvar Destino Como"


Badez, Marcos Vinicius e Esquerdinha - Ferroviário Esporte Clube 1970

Registro dos atletas Badez, Marcos Vinicius e Esquerdinha, em 1970, com a camisa do Ferroviário. Naquele ano, a equipe da REFFSA chegou à terceira colocação no Campeonato Maranhense de Futebol, atrás do Sampaio Corrêa, vice, e do Maranhão Atlético Clube, que alcançava o bicampeonato. A formação base do Ferrim era a seguinte naquele ano, sob o comando do treinador Jordan: Zé Raimundo; Ribeiro, Lumumba, Vivico e Antonio Carlos; Waldinar e Santana; Zimba, Mineirinho, Cândido e Egui.

 

Francisco Alexandre Barradas

Matéria de Edivaldo pereira Biguá e Tânia Biguá, página "Onde Anda Você?", do Jornal O Estado do Maranhão.

Quando tinha oito anos de idade, Francisco Alexandre ganhou uma bola de borracha de presente de um motorista, amigo do seu pai. A intimidade com o novo brinquedo fez com que nascesse a paixão pelo futebol. Depois de rodar por muitas equipes amadoras de São Luis, passou a ser conhecido como Barradas. Destaque das Olimpíadas Colegiais, ganhou fama e prestígio defendendo o Sampaio Corrêa na década de 50. Uma época de grandes craques e de grande participação da torcida. Segundo a imprensa esportiva da época, ele jogava uma enormidade.

Barradas era chamado pelos pais e continua sendo chamado pelos irmão de Francisco. Para os amigos de infância da idade de São Pedro do Piauí, onde nasceu no dia 02 de Novembro de 1934, é Chico. Na fase em que começou a despontar no futebol amador e colegial de São Luis, todos os companheiros chamavam-no de Barradinha, diminutivo carinhoso do sobrenome. Era médio esquerdo.

Filho de Manoel Alexandre Barradas e Maria Alves Pessoa, trocou o interior do Piauí pela capital maranhense em 1949, quando estava prestes a completar 15 anos de idade. Foi trazido pelo irmão Joaquim Alexandre Barradas (já falecido), que mais tarde seria um dos melhores odontólogos do Estado e diretor da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal do Maranhão. O dentista respeitado não suportava a idéia de ver o irmão um atleta profissional. Mas em todo jogo mostrava um lado que até então está na memória de Barradas. “Quando eu já estava no Sampaio, em um jogo contra o Maranhão Atlético Clube, me acertaram e fiquei no chão gemendo de dor. Meu irmão veio ao meu encontro e me disse: ‘aguenta firme! Não vai sair do jogo agora, não!’ Achei engraçado. Falei pra ele não se preocupar que eu iria continuar jogando. Essa foi uma das suas inúmeras partidas pelo Tricolor, que o consagrou como lateral-esquerdo . A fama foi trazida dos tempo em que disputava as Olimpíadas Colegiais pelo Ateneu Teixeira Mendes, os torneios juvenis pelo Rio Negro (1952), São Cristóvão (1953) e aspirantes pelo Sampaio Corrêa (1954), time amador que era dirigido pelo radialista Jafé Mendes Nunes. Até quando serviu o quartel, não abandonou a bola. Jogou no General Sampaio, time do 24º BC. Dispensando do exército, ingressou no Sampaio em 1955. O motense transformou-se em boliviano ranzinza. Participou do Campeonato de 1955, que ainda não havia acabado. Encontrou com ‘feras’, como Enemer (gol), Terrível, Wallace, Cacaraí, Elbert, Gedeão Matos, Cearense, Neto, Biné, Garcia, dente outros. No maior rival, o Moto, jogavam Walber Penha, Baé, Juvêncio, Reginaldo Menezes, Benícius, Pedro Buna, Vavá, Zé Maria, Mozart Tavares, Lourival e Gimico. Outros carques pertencentes ao Vitória do Mar: Babatais, Misael, Camucim, Chapola, Calango, Ivan, Joaozinho, Abmanel, Ferreirão, Wilmar e Gafanhoto. No Ferroviário jogavam Dodô, Carapuça, Augusto, Peruzinho, Bebeto, Gentil, Vicente, Frango, Josafá, Negão e Esmagado.

Barradas conta como saiu do meio de campo para a lateral-esquerda. “Lembro-me até hoje como mudei de posição com a perna esquerda. O professor Henrique Santos era o técnico. Ele saiu distribuindo as camisas momentos antes de uma partida contra o Moto, no Estádio Santa Izabel. Quando pegou o número seis, jogou em cima de mim. Antes de entrarmos em campo, ele passou algumas instruções para o grupo e, especialmente, a mim. Dei conta do recado e durante cinco anos fui titular absoluto da posição, sem que ninguém ameaçasse”.

 Uma das formações do Sampaio Corrêa em 1956: em pé: Ronald Carvalho (Presidente), um diretor técnico não identificado, Leça, Alemão, Neto Peixe Pedra, outro atleta não identificado, Cearense e Mal Talhado. Agachados: Negão, Serra Pano de Barco, Cacaraí, Terrível, Wallace, Enemer, Elber, Barradas, Osvaldo "Lata de Lixo" e Sapeca
 
Barraras era um lateral que não batia em ninguém. Jogava na bola. Chegava junto e não deixava o atacante pensar. Tinha uma personalidade muito forte. Era eficiente e jogava para o time. Apoiava nem e fazia seus gols. A perna esquerda continuava sem função, a não ser como apoio no campo, e “para ajudar a subir no ônibus”, como diz, brincando. Todo controle de bola, passe e chutes, eram feitos com a perna direita.

Apesar do Sampaio Corrêa ter montado uma boa equipe em 1955, visando o Tricampeonato, quem acabou conquistando o título da temporada foi o Moto Club. Um ano depois, o Sampaio voltou a jogar bem e arrebatou o título do Torneio Municipal jogando com Enêmer, Wallace, Terrível e Barradas; Cacaraí e Elber; Gedeão, Matos, Caboré, neto Peixe Pedra, Henrique Santos e Biné; “Pensávamos que o título era nosso nesse ano, porém o Moto acabou levantando o bi merecidamente”.

Em 1957 e 58 o grande Ferroviário ficou bom o bicampeonato estadual. O Sampaio, que queria quebrar a sequência de anos sem um primeiro lugar, não conseguia. “Nosso time jogava bem no início das competições e na reta final tropeçava e não ganhava a final. A torcida cobrava a gente até na rua, com absoluta razão”.

Em 1959 o grupo sampaíno comprometeu-se com a torcida e procurou fazer de tudo para quebrar o jejum de quatro anos. No final do ano, a história se repetiu: apenas de um ótimo início de campeonato, quem ficou com o título foi o Moto Club: “Quando o campeonato acabou, eu já estava com 25 anos de idade e percebi que não teria futuro com o futebol. Só conseguia ganhar dinheiro através do Sampaio Corrêa e não do Sampaio Corrêa. Incentivado pro um amigo, no início de 1960,resolvi jogar tudo pra cima e fui tentar a vida em São Paulo. Acabava ali minha passagem pelo futebol profissional maranhense”. Barradas ficou 14 anos na capital paulista. Por lá jogou em times de várzea e algumas empresas por onde trabalhou. Em 1977 retornou a São Luis, onde permanece até hoje.

PAPEL DE PAREDE - Vitória do Mar Futebol Clube

Clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha a opção: "Salvar Destino Como"


PAPEL DE PAREDE - Moto Club de São Luis

Clique com o botão direito do mouse na imagem e escolha a opção: "Salvar Destino Como"


Maranhão 2x0 Tupan - Campeonato Maranhense 1979


Deixo aqui a transcrição do Jornal O Estado do Maranhão sobre a partida Maranhão 2x0 Tupan, pela estreia de ambas as equipes no Estadual de 79. O texto segue a grafia da época.

Em partida sem muita motivação realizada ontem no estádio Municipal Nhozinho Santos, a representação do Maranhão Atlético Clube estreou no certame maranhense de 79 colhendo um bom resultado, ao derrotar o quadro da Sociedade Esportiva Tupan, através do marcador de 2 tentos a zero, com um goal em cada fase.

O jogo apresentou um primeiro tempo muito fraco, embora apresentasse o Glorioso mais presente no campo adversário, buscando a todo instante o último reduto do time indígena. Inúmeras oportunidades foram desperdiçadas pelos atacantes do Bode Gregório, principalmente o comandante de ataque Alcindo, que chegou a perder uma oportunidade de outro nos primeiros minutos da partida, quando ficou com a meta contrária totalmente à sua disposição, que o goleiro Jailson se encontrava totalmente batido.

O Tupan apenas procurava se defender e não chegou hora alguma a levar perigo ao arco confiado a Marcelino, que foi um espectador privilegiado durante os primeiros 45 minutos de partida. Por outro lado, o guardião Jailson foi o maior impecílio para a linha de frente do Maranhão Atlético Clube, fazendo defesas realmente espetaculares, evitando a queda da sua cidadela.

De tanto forçar o reduto final do quadro adversário, o MAC conseguiu abrir o marcador aos 36 minutos do primeiro tempo, depois de um bom ataque de Naldo pela meia direita e uma bobeada da defesa da Madre de Deus. Depois de uma defesa parcial do goleiro Jailson, a zaga parou e possibilitou ao meio campista Soeiro bater cruzado para o goal, do que de aproveitou Alcindo para apenas escorar e mandar para o canto direito da meta indígena. Com o resultado de 1 tento a zero, foi encerrado o primeiro tempo.

Na etapa complementar, o Maranhão voltou mais agressivo e procurou o caminho do goal logo no início da fase. Embora a defesa do Tupan não estivesse em dia inspirado, talvez pela ausência de Jorge Luis e Izaias, o arqueiro Jailson estava em grande dia e continuava dificultando as coisas para o quadro atleticano. No entanto, uma andorinha só não faz verão e assim aos três minutos de jogo o Maranhão voltava a marcar novamente através do centroavante Alcindo, que recebendo um passe pela meia esquerda, penetrou na entrada da área e bateu de pé esquerdo sem chance de defesa para Jailson e colocou no canto esquerdo para estabelecer o segundo goal maqueano. O Maranhão continuou forçando, tentando dilatar o marcador, mas este não se alterou e a partida chegou ao seu final com a vitória do time do Parque Valério Monteiro por 2 a zero.



FICHA DO JOGO

Maranhão 2x0 Tupan
Local: Estádio Municipal Nhozinho Santos
Juiz: Francisco Sousa
Bandeirinhas: Gildásio Lélis e Salomão Dantas
Renda: C$r 16.440
Gols: Alcindo (2 gols)
Maranhão: Marcelino; Célio Rodrigues, Tataco, Paulo Fraga e Antônio Carlos; Soeiro e Naldo; Valter, Riba, Alcindo (George) e Naldo.
Tupan: Jailson; Armando, Gonçalves, Ronaldo e Tomé; Paulo Roberto (Airton) e Ivo (Gibi); Pedro, Nascimento, Evandro e Claudionor.